Brasil encerrou o ano com menos linhas de telefonia móvel

A Anatel divulgou o seu balanço de linhas móveis ativas no Brasil em 2016. De acordo com ela, o país encerrou 2016 com 13.747.515 linhas de telefonia móvel a menos do que começou. Isso representa uma queda de 5,33% com relação ao fim do ano anterior. Somente nos dois últimos meses a queda atingiu 1,76%.

Os dois principais fatores, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações, são a desaceleração econômica do país, e a queda do valor das tarifas de interconexão (entre empresas fixas e móveis). Ou seja, o fato do barateamento do custo de uma ligação entre uma operadora e outra. Com menores preços, as pessoas cancelaram seus chips extras.

telefonia-movel-futurecom

Entre as empresas

Entre as empresas prestadoras de telefonia móvel, as que tiveram maior número de desistentes foram a OI, a Claro e a Tim, respectivamente. Somente a OI perdeu em 2016 quase 6 milhões de linhas, 12,32% do seu total. A Claro perdeu cerca de 8,8% de seu total, e a Tim 4,5%, algo próximo de 2,8 milhões de linhas.

Indo na contramão, as empresas de telefonia menores cresceram. A Porto Seguro, por exemplo, fechou o ano com 450 mil linhas, 100 mil a mais que quando começou o ano. Já a Datora Telecom teve um crescimento ainda mais impressionante, saltou de 43 mil para 100 mil linhas, fechando um salta de 134% de aumento.

Entre as regiões

Apesar de a queda ter sido geral, o Nordeste teve o maior número de cancelamentos. Os três estados com os maiores índices foram Rio Grande do Norte (queda de 11,75%), Alagoas (10,94%) e Pernambuco (10,9%). No Sul e no Sudeste a queda foi um pouco menor com os índices entre 3% e 4%. O estado que menos perdeu linhas foi Roraima, com uma redução de apenas 0,19%.

Os números mostram que o consumidor já não se mantém mais fiel a empresas que não o servem e apresentam benefícios. A busca até por empresas de menor porte revela que serviço de qualidade e melhores valores são o principal atrativo. Resta observar agora se 2017 reserva a mesma tendência de consumo entre os brasileiros, ou se um novo comportamento irá se desenhar.