Entrevista com Rodrigo Parreira, Presidente da Logicalis

 Fábrica inteligente revoluciona produção

Rodrigo Parreira, da Logicalis, também fala sobre o desafio da cidade conectada

A tecnologia está se tornando o próprio núcleo, o coração dos negócios, gerando novos modelos operacionais e elevando a interação das pessoas com o ambiente, empresas organizações para outro patamar. Essa é a visão de Rodrigo Parreira, presidente da Logicalis Latin America.

Ele vê, de um lado, a clássica tecnologia da informação e sua capacidade de estruturar, armazenar e analisar informações e, de outro, todos os elementos de conectividade e de redes que permitem o transporte e o processamento das informações. O resultado são sistemas inteligentes de coleta de dados por sensores, tratamento desses dados em plataformas de analytics e tomada de decisão real em cima de modelos operacionais baseados em tecnologia.

Tomando como exemplo a indústria, o executivo prevê ferramentas que identificarão demandas específicas e mudarão linhas de produção automaticamente, acelerando ou diminuindo a velocidade, garantindo sempre o throughput do produto no ritmo da absorção pelo mercado. “Claro que não é um processo rápido, mas acho que vai gerar muito valor para as empresas e as organizações”, diz o executivo, em entrevista exclusiva ao Futurecom All Year.

Fora das fábricas, pode-se prever uma revolução na política. Parreira lembra que as grandes metrópoles mundiais estão ameaçadas de colapso pela complexidade da gestão pública, seja em mobilidade seja em segurança ou serviços. São setores em que a convergência das tecnologias de informação com sensores e sistemas de automação tem muito a fazer. Mas a chamada cidade inteligente exigiria a transformação de certos paradigmas de gestão política, impactando algumas estruturas de poder. Isso pode ser uma barreira, mas Parreira acha que a adoção de tecnologias mais avançadas para administração das cidades é inexorável.

O presidente da Logicalis prevê que a tecnologia terá um impacto nas utilities (água e eletricidade, por exemplo) tão grande quanto a ocorrida nas telecomunicações nos últimos 20 anos. O uso de tecnologias de smart grids, como medidores inteligentes, permite coletar na rede informações que vão gerar serviços de valor agregado e mais possibilidades de aplicação.

As atuais dificuldades econômicas não pegaram de surpresa a operação brasileira da Logicalis, responsável por aproximadamente 30% da receita global da corporação. Ações executadas nos dois ou três últimos anos lhe permitiram encerrar o semestre fiscal com crescimento de dois dígitos. “Brasil e América Latina são uma grande aposta da Logicalis”, assegura Parreira. “E isso nos traz muita responsabilidade dentro do grupo.”

Saiba mais sobre a visão de Rodrigo Parreira e a estratégia da Logicalis assistindo ao vídeo.

 

Por Renato Cruz e Nilton Tuna Mateus