Oito novos cabos submarinos irão operar no Brasil até 2019

Já mostramos aqui no blog que o Brasil tem cada vez mais pessoas trafegando na internet. Felizmente, as estruturas para sustentar esse uso estão crescendo: entre agosto de 2017 e o ano de 2019, devem entrar em operação oito novos cabos submarinos que deixarão muito mais rápida a conexão de internet entre o país e outros continentes. As estruturas irão mais do que dobrar a capacidade de tráfego que existe atualmente.

As novas estruturas trarão no total cerca de 526 terabytes por segundo de capacidade potencial. Somente até o fim desse ano serão 226 Tbps. Essa nova carga óptica promete trazer fortes avanços em conexão para toda a América Latina, já que para ter uma noção, o último cabo instalado na região foi o América Móvil, em 2014, com 190 gigabytes por segundo de capacidade.

Futurecom - cabos - submarinos

São pelas fibras dos cabos submarinos que passam a grande maioria dos dados globais de internet, deixando os satélites com uma pequena responsabilidade. A demanda por novas estruturas que façam a conexão entre os diferentes centros é cada vez mais constante. Segundo a Cisco, a média que uma pessoa consome em dados atualmente é algo em torno de 13GB por mês. Em 2021, a expectativa é que esse valor suba para aproximadamente 35GB.

Prioridade para a América Latina

Segundo a Telegeography, consultoria de marketing para telecomunicações, a América Latina deverá concentrar a maior parte dos investimentos em cabos submarinos nos próximos dois anos, movimentando cerca de 1,5 bilhão de dólares. Para ter uma ideia, em 2016, ano em que 13 novos cabos foram instalados no mundo todo, cerca de 2,5 bilhões de dólares foram investidos a nível global nessas estruturas.

Acontece que a América Latina passa por uma transformação no tráfego de dados. Em 2012, o uso da banda internacional era próximo de 8 terabytes na região, mas no ano passado já atingiu 35 Tbps, num ritmo de crescimento acelerado que ainda se mantem.

Segundo Anahí Rebatta, analista de pesquisa da Telegeography, fatores que estimulam esse crescimento na região são o crescimento da demanda dos provedores de conteúdo, a necessidade de maior capacidade potencial, a necessidade de novas rotas para o tráfego de dados – algo necessário para garantir rapidez e confiabilidade – e, claro, o uso da banda disponível.

Através dos novos cabos que serão instalados até 2019 ocorrerá também uma maior diversificação de rotas dos dados de conexão. Para muitos caminhos e conexões entre regiões, o resultado das instalações trará maior rapidez para troca de dados e maior agilidade no atendimento aos clientes. O cabo SACS, por exemplo, que irá ligar o Brasil (Fortaleza) à Luanda, na África, é um exemplo disso: com sua construção, a conexão entre os continentes americano e africano ficará até cinco vezes mais rápida.

Investimentos em estruturas tecnológicas que ampliam as capacidades da comunicação mundial é um dos temas de destaque nas discussões do Futurecom, o maior e mais qualificado entre de TI, Internet e Telecom da América Latina. Continue acompanhando as novidades dos setores em nosso blog e fique bem informado!

Por redação Futurecom, com informações de Telesintese.