Privacidade em apps ainda é problema para 65% dos usuários de smartphones

Mais da metade dos usuários de mídia móvel estão descontentes com o fato de compartilharem informações pessoais com apps, de acordo com uma pesquisa internacional realizada pelo MEF em parceria com a AVG. O levantamento revela que 65% dos donos de smartphones não se sentem confortáveis com a privacidade nos apps.
A pesquisa foi realizada em 13 países, incluindo o Brasil, e entrevistou 10 mil usuários de smartphones. A insatisfação em relação à privacidade nos aplicativos móveis apresentam índices mais altos nos países desenvolvidos, como Reino Unido (79%) e EUA (76%).

Insatisfeitos apps privacidade
Imagem: reprodução/ Corbis

Transparência

Apesar dos altos níveis de descontentamento, apenas 24% dos entrevistados se protegem de alguma forma – a maioria ignora os longos termos de serviços e privacidade disponíveis no download dos apps. Surpreendentemente, a transparência por parte dos aplicativos registrou uma queda em comparação com a pesquisa do ano passado: 42% dos entrevistados consideram essencial saber se um app coleta e compartilha seus dados, enquanto esse número representava 49% na pesquisa anterior.

Segurança

65% dos usuários entrevistados afirmaram que sabem da existência de códigos maliciosas e ameaças virtuais para smartphones. Dentre essas pessoas, 74% ainda disseram que saber disso faz com que eles se tornem mais cautelosos ao realizar downloads de novos apps.

Segundo os dados, os grupos mais preocupados com segurança em dispositivos móveis são as mulheres (80%), os que mais gastam em mobilidade (79%) e os usuários maiores de 35 anos (81%).

As tendências do mercado de TI, Telecom e Internet fazem parte da matriz de conteúdo do Futurecom, o maior evento de tecnologia da América Latina. Empresas e profissionais de todo o mundo participam do evento com o objetivo de discutir temas relevantes para o setor e ter contato com importantes players – expandindo suas possibilidades de estabelecer parcerias profissionais e prospectar novos clientes.

Fontes: Mobiletime